Provavelmente você já teve alguma ideia relacionada a robótica/eletrônica, como por exemplo um letreiro de LED, uma cafeteira automatizada, um sensor de luminosidade ou quem sabe um detector de presença. Ter ideias não requer conhecimento em nenhum assunto específico, afinal, basta utilizarmos nossa criatividade e começarmos a imaginar algo. Porém, quando vamos colocá-las em prática, precisamos ter conhecimentos específicos sobre a área que a nossa ideia está envolvida, para que seja possível desenvolver o projeto.

Eu comecei a ter grande curiosidade em entender como esse tipo de coisa funcionava e como poderia começar a dar meus primeiros passos. Aos poucos, fui descobrindo que o Arduino era a resposta para minhas dúvidas. E é por esse motivo que hoje irei compartilhar um pouco sobre como iniciar e dar vida aqueles projetos que você tem na cabeça.

arduino

O Arduino é uma plataforma open-source que foi desenvolvida para auxiliar no ensino de eletrônica. Seu criador, Massimo Banzi, tinha como principal objetivo ter uma plataforma de baixo custo, para que os estudantes conseguissem desenvolver seus protótipos com um custo mais acessível. Pois naquela época (2005), não existiam placas de baixo custo no mercado, e portanto, isso dificultava a aquisição do produto por todos os seus alunos.

A IDE é baseada nas linguagens C e C++. Onde o ciclo de desenvolvimento se inicia com a conexão da placa ao computador via USB, passando pelo desenvolvimento de comandos e upload do programa para a placa e terminando com a execução do programa.

Após a realização do upload, o Arduino não precisa mais do computador pois ele irá executar o programa criado, desde que esteja ligado a uma fonte de energia. A alimentação da placa pode ser feita a partir da porta USB do computador ou através de um adaptador AC.

Existem diversos tipos de placas que podem ser utilizadas. Entre elas, a mais conhecida e utilizada o Arduino UNO.

resumo arduino UNO

Resumo de recursos da Arduino UNO

O hello world da programação do Arduino, equivale em acender um LED através de uma saída digital. A placa Arduino UNO tem um LED ligado ao pino 13, no qual podemos utilizar para o nosso primeiro teste e carregar o exemplo Blink na IDE.

blink

Esse código apresenta a estrutura básica de um programa desenvolvido na IDE Arduino, veja como é simples:


void setup() {
   pinMode(13, OUTPUT);
}
    • Setup(): função obrigatória que é executada uma única vez quando o programa é inicializado. Responsável pelas configurações iniciais do microcontrolador, como inicialização de variáveis, utilização de bibliotecas, definição dos pinos de I/O etc.

void loop() {
   digitalWrite(13, HIGH); 
   delay(1000); 
   digitalWrite(13, LOW); 
   delay(1000); 
} 
  • Loop(): função onde o código será executado de forma contínua, como o próprio nome sugere, permitindo que o seu programa altere e responda consecutivamente.

Dentro do loop está o código que fará o LED piscar em intervalos de 1 segundo, enquanto a placa estiver ligada;

Agora, se você não está tão familiarizado com C ou C++ e gostaria de utilizar alguma outra linguagem, tenho uma boa notícia! O Johnny-Five é um framework bem popular, com uma API clara e que oferece suporte a várias plataformas, utilizando o poder do Javascript.

O Arduino tem uma enorme flexibilidade com o qual você pode deixar sua imaginação rolar. Para aprender mais sobre o assunto:

Livro Primeiros Passos com Arduino – Massimo Banzi
Visão geral sobre para que serve o Arduino e programação + eletrônica.

Livro Guia do Maker para o Apocalipse Zumbi  – Simon Monk
Ensina a construção de pequenos projetos utilizando Arduino e Raspberry, de uma forma bem diferente e humorada, para enfrentar um ataque de zumbis.

Caso você ainda não tenha um Arduino, você pode conhecê-lo um pouco melhor através do Autodesk Circuits, onde é possível simular circuitos.

Eu costumo comprar meus componentes eletrônicos em dois sites FilipeFlop e RoboCore, vale a pena dar uma olhada 🙂

Participe também de espaços como Garoa Hacker, Fazedores, Garagem Fab Lab, Red Bull Station e outros hackerspaces que despertam e incentivam seu lado maker.